27 setembro, 2009

Dilvulgando reclinadas em Pelotas

Quem acompanha este blog já sabe que tenho dois irmãos mais velhos em Rio Grande, minha cidade de origem, e que o mais velho deles também curte bikes reclinadas. Inclusive já construiu mais dessas bikes do que eu (veja clicando aqui e aqui). O nome dele é Orlandi e por lá também é conhecido como Franz. Ele usa suas bikes quase diariamente no trajeto de casa para o trabalho e sempre que tem chances, procura divulgar essa categoria de ciclismo na região. Na semana passada ele saiu na edição de Domingo do jornal da cidade de Pelotas, chamado Diário Popular. Ele tinha escrito um texto bem legal para inserir na reportagem, o qual foi passado para a jornalista. Ela, infelizmente, não usou o texto recomendado por ele e acabou não dando uma ênfase muito forte ao tema central da entrevista, o ciclismo reclinado e as reclinadas artesanais. Ainda assim, a iniciativa e interesse dessa mídia pelas reclinadas foi bem legal e pode ser conferida clicando na imagem abaixo. Essas inciativas realizadas pelo meu irmão têm ajudado a tornar as reclinadas mais populares também na sul do estado, e além de ajudar a valorizar a criatividade e esforço dele em divulgar seu hobbie.

Parabéns ao Jornal Diário Popular, de Pelotas, pela sua iniciativa!!
Ao visitantes, uma abração e até o próximo post!!

26 setembro, 2009

Desenho bonito e limpo

A RaptoBike é uma fabricante holandesa de reclinadas bastante jovem. Iniciou sua atividades em janeiro de 2006 (primeiro modelo foi lançado na metade de 2007, durante o Cycle Vision) com a proposta de fazer reclinadas com um belo design, bem feitas, com componentes de alta qualidade e com preços atrativos. De fato, o preço do framekit da low racer deles, a única que era fabricada até algum tempo atrás, custava 849 euros. Um preço bom nos padrões europeus, embora ainda caro para nós brasileiros. Pelo que entendi, o processo de produção é totalmente artesanal e uma bike fica pronta para entrega entre 2 a 6 semanas. Eu já pedalei uma bike dessas e é muito boa. Lembro que perguntei ao dono da bicicleta quanto tempo durava a corrente dela, se era 800km ou 900km. Para minha surpresa, ele respondeu que vinha usando a mesma corrente há 8000km, e nunca teve problema algum, inclusive competindo como amador. Essa é uma boa informação para os céticos que criticam as reclinadas com corrente torcida. :-))

De vez em quando passo lá no website da RaptoBike e, para minha surpresa, esta semana estavam lá as fotos (as duas fotos acima, neste post) de um lançamento que eles vinham prometendo há muito tempo. O lançamento nada mais é qu uma reclinada midracer linda. Ela segue o design da empresa, embora lembre bastante o desenho proposto anos atrás por Mike Borrows (veja foto abaixo). Mas nada que possa configurar-se como uma cópia. O mais legal nas duas fotos divulgadas pela empresa é o desenho limpíssimo da bicicleta (eu adorei esse aspecto). Chegue a lembrar as lindas e "depenadas" bikes fixas.

O website ainda não tem preço, especificações ou vídeos. Por enquanto, nos resta admirar essas duas fotos e imaginar o peso e o desempenho dessa máquina.
Abraços e até o proximo post!!!

20 setembro, 2009

Primeiro pedal com a HR24 pintada

Depois de um longe período insessante de chuvas em Porto Alegre, finalmente a cidade ganhou de presente um domingo lindo de sol e temperatura amena. Os tradicionalistas devem ter ficado realizados, pois hoje é 20 de Setembro, o dia em que os gaúchos comemoram a Revolução Farroupilha. Normalmente chove exatamente na data do desfile gauchesco, mas dessa vez o tempo ajudou. Apenas a título de informação, os gaúchos conscientes não querem se separar do resto do Brasil, e pelo menos de minha parte, não faço associação alguma entre o caráter de uma pessoa e sua origem cultural, étnica, religiosa, geográfica, etc. Acima de tudo, somos todos seres humanos que erram, que erram, acertam e que tem sentimentos a serem respeitados. :-)) O que o movimento tradicionalista faz é criar uma identidade cultural para as pessoas aqui da região. Temos hábitos diários, roupas, danças e músicas os quais nos permitem criar uma unidade. Eu, por exemplo, encontrei duas pessoas na Europa que se tornaram grandes amigos meus graças ao fato sair pelas ruas de lá empunhando orgulhosamente o chimarrão na mão. Eles nos viram e identificaram de onde eramos e disso resultou a aproximação e a criação da amizade. Mas vamos ao que interessa, o pedal.
Hoje foi o primeiro pedal com a bike toda montada e pintada. Saí bem cedinho (07h00) para pedalar e depois me encontrar com o resto da turma lá pelas 08h30. Acabei encontrando o Daniel Lorenzini com sua Perfomer (bicicleta linda) e pedalamos 36km pela cidade batento um bom e longo papo. O resultado foi que acabei perdendo a hora e não consegui encontrar o pessoal para o tradicional GROM (Grande Reclinaço Oficial Mensal), que acontece todo último domingo do mês em Porto Alegre. A bike se comportou muito bem e consegui testar sua estabilidade ao descer uma avenida a 60km/h. Só não andei mais rápido por falta de coragem, já que a bike recém foi montada de forma definitiva e ainda quero ter certeza que não terei surpresas em alta velocidade. :-)) O próximo passo será regular melhor os freios e corrigir a colocação inadequada do cabo do câmbio dianteiro. Depois pretendo colocar pedais com clipe e comprar sapatilhas, pois dizem que isso dá ótimos resultados em termos de conforto e desempenho.

Bom!! Por hoje era isso. Vamos ver se no próximo pedal terei a máquina fotográfica em mãos, para apresentar uma foto tirada durante o passeio. Por hoje, fica a foto acima, tirada aqui em casa mesmo.

Abraço a todos e até o próximo post.

17 setembro, 2009

Velomobilanfíbio! ! ! !

Oi Pessoal, Olhem o que achei na web!! É uma reclinada para quem quer reclinada, é um trike para quem quer um trike, é um velomóbile, e.... é um veículo anfíbio. Isso mesmo!! Um veículo que anda na terra e na água!!

O veículo foi feito artesanalmente, possui propulsão assistida e tem um visual muito bonito. Para quem quiser ver fotos do veículo é só acessar o website do construtor, David Buchwaldek, da República Checa.

O website do cara é http://www.esoteric-david.eu/en-page-33.html, e tem até vídeos mostrando a invenção dele em ação.


Abração a todos, e até o próximo post!!

11 setembro, 2009

HP3 de com website novo

Este post é só para comentar que a HP3 (um dos únicos fabricantes de triciclos reclinados em série no Brasil) está com um website totalmente reformulado. Vale à pena passar lá e ver a nova interface utilizada para divulgar os produtos da empresa. Para tanto para acessar o link: www.hp3trikes.com.br.
Parabéns e sucesso ao Arthur Mello, pelo novo site de sua empresa.
Aos demais, abraços e até o próximo post!!

04 setembro, 2009

Meu pai teve uma Handcycle

Há alguns dias atrás comecei a lembrar de umas coisas as quais ainda não tinha percebido. Quando era pequeno, na minha família, já presenciei de perto a experiência de fazer uma reclinada artesanal dentro de casa. Tudo bem que não era muito reclinada, mas já poderia ser facilmente encaixada nas concepções de handcycles que conhecemos por aí. Explicarei melhor os detalhes.
Meu pai era cadeirante devido a um acidente do trabalho, quando eu tinha um ano e meio. Diga-se de passagem, quando eu era pequeno achava que meu pai já tinha nascido com uma cadeira de rodas. Eu me divertia usando seus equipamentos, a maior parte construídos em casa (somente as cadeiras de rodas não eram artesanais). Fazia coisas do tipo, ficar me equilibrando só em duas das quatros rodas da cadeira e ficava pedalando em um triciclo tracionado somente pela força dos braços, ou seja, uma handcycle. Nas fantasias em minha cabeça, deveria imaginar que estava em uma nave espacial ou algo parecido. :-)))
O curioso, e que eu ainda não tinha me dado conta, é a forma como projeto foi desenvolvido. Meu irmão mais velho (o mesmo que constrói reclinadas hoje) tinha uns 17 anos na época, e ajudou no projeto do triciclo para meu pai. Não tinhamos muito acesso a revistas, a não ser em um barbeiro na frente de casa, que colecionava revistas Veja. Em termos de canais de televisão, só tinhamos a Rede Globo mesmo e, às vezes, a Bandeirantes. Mesmo assim, meu irmão se ligou de seguir as seguintes etapas de um projeto:


1. Desenhar algumas possibilidades de triciclo, com a exposição das idéias de meu pai;
2. Fazer uma maquete, em escala;
3. Construir um moke up (modelo em tamanho natural), usando pedaços de madeira velha;
4. Construir o veículo em sua forma final.


O resultado foi uma handcyle sem marchas, mas que possuia um sistema de suspensão para as rodas traseiras do tipo "balança", e um design bastante clean. A suspensão era similar ao que se encontra nas motos, mas com dois amortecedores.

Na foto (da esquerda para a direita): Eu, Meu pai, Minha mãe e minha irmã. Dia da minha comunhão no início da década de 80.


Infelizmente, descobri somente uma foto deste veículo maravilhoso. Quando meu pai ficou mais velho, acabou doando o triciclo para um cara da minha idade, o qual teve paralisia infantil e que morava em uma favela lá perto de casa.
Depois de muitos anos, meu irmão tentou repetir o feito, mas acabou não dando certo como na primeira vez, e meu pai nunca o utilizou (foi doado novamente).
Grandes saudades do meu velho!!

Abraços a todos e até o próximo post!!