24 outubro, 2009

Cicloativismo e consciência coletiva

Olhem bem para a fotinha aí de cima. Essa imagem está mostrando um dentre outros vários ferimentos sofridos pela minha irmã em um acidente envolvendo bicicleta. O interessante é que ela nem anda de bicicleta. As lesões que incluiem ainda um corte profundo na perna e luxações no braço direito foram causadas por um atropelamento. O ciclista vinha de seu trabalho correndo, ainda com o uniforme de trabalho, embora sem nenhum EPI (Equipamento de Proteção Individual) e sem nenhum dispotivo de frenagem em sua bike, a qual provavelmente era um modelo barra-forte, muito difundido na cidade de Rio Grande. O ocorrido me levou a refletir sobre alguns aspectos associados ao cicloativismo.
O cicloativismo é algo muito legal e no tange à iniciativa em si. Contudo, percebo que as pessoas preocupadas "formalmente" com a disseminação da bicicleta não são de fato a grande maioria de usuários dessas máquinas maravilhosas. Onde pretendo chegar com este raciocínio? A bicicleta, como é o caso de Rio Grande, não é usada por consciência ecológica, preocupação com a saúde ou outros motivos nobres. Pelo contrário, seu uso é imposto pela necessidade financeira e ausência de modais de transportes mais justos economicamente. A consequência desastrosa da combinação desses fatores é o acumulo cada vez maior de ciclistas desrespeitando trânsito, sendo obrigados a se deslocar sobre os espaços destinados ao carros, incluindo trechos de estradas federais e estaduais, também repletas de caminhões que se dirigem ao superporto. Junta-se a este grupo as pessoas que resolvem fazer suas caminhadas diárias (de lazer, para a escola ou para o trabalho) pelos acostamentos dessas vias.
No caso de minha irmã, ela estava saindo de seu trabalho. Se obrigava a atravessar uma estrada pessimamente sinalizada para chegar à parada do ônibus. Para a surpresa dela, um ciclista em alta velocidade apareceu traçando um caminho aleatório e imprevisível. Confusa e tentando sair da frente do veículo, não conseguiu escapar e foi atingida frontalmente. O choque causado pelo atropelamento arremessou ela alguns metros, rasgou sua calça, arrancou seus brincos, entortou os anéis em uma de suas mãos, fez um corte em uma de suas pernas e perfurou sua cabeça, na altura da nuca, até o osso.
Será que basta ter mais bicicletas, mesmo sem haver ciclovias? Será que basta ciclovias, mesmo sem haver educação e conscientização para as classes menos privilegiadas? E, será que basta tudo isso sem considerar a bicicleta como mais um meio de transporte (existe uma legislação de direito, mas não, de fato), que deve respeitar a leis de transição da mesma forma que outros modais de transporte?
Cabe a reflexão.
Abração a todos e até o próximo post!!

16 outubro, 2009

Velódromo no RS

Aqui vai um post bem curto e rápido. Para quem pensa que no Rio Grande do Sul não existe velódromo algum, existe um sim, na cidade de Rio Grande, onde nasci. Seriam dois, mas POR FAVOR, não vamos chamar aquilo que tem no Parque Marinha do Brasil, em Porto Alegre, de velódromo, ok??
Procurei fotos aéreas legais, mas não achei nenhuma (só essa apresentada no post, do Google Earth). O velódromo possui 400metros de circunferência, cabeceiras inclinadas a aproximadamente 40 graus, piso em asfalto ainda bem conservado (um bom tombo causa arranhões surpreendentes :-)) ), uma pista em terra em volta para o pessoal fazer caminhadas, e está dentro de uma praça fechada a cerca de 10 anos. Há ainda dois campos de futebol profissional, uma quadra de basquete em asfalto, duas quadras de futebol de salão em asfalta, uma quadra de volei de praia, um ginásio umas 200o pessoas, uma praça para as crianças e, vale citar aqui, um ninho de corujas constantemente vigiado pelos guardinhas e a população. :-))
Cabe ressaltar que, "diz a lenda", a praça surgiu a partir do terreno doado por uma família à comunidade riograndina. Daí o seu nome: Praça Saraiva. Depois que fecharam a praça acabaram as depredações, as quais eram constantes e incluiam também estupros, venda e consumo de dogras e ocultação de materiais roubados. Ou seja, às vezes vale à pena mesmo cercar os parques, embora isso pareça à primeira vista algo pouco inteligível. Minha mãe mora bem em frente, e o lugar é lindo e sempre cheio de crianças aos finais de semana. Irronicamente, a única coisa que não vejo por lá são provas de ciclismo. Quando tinha meus 8 ou 10 anos ía lá assistir algumas provas e queria até correr. Mas, depois, devido aos inconvenientes que citei acima, nunca mais houve nada, e mesmo depois da recuperação e fechamento do local continuou não havendo. Vale à pena, quando alguém for a Rio Grande, ir lá visitar o local.
Enfim, tudo leva a pensar na vergonha evidente de Porto Alegre, que mesmo tendo uma população 5 ou 6 vezes maior que a de Rio Grande, e um número de competidores extremamente maior, ainda força seus ciclistas a mendigarem um espaço para competir na rua, junto aos carros e pedestres, quando desejam fazer um evento.
Abração a todos e até o próximo post!!

12 outubro, 2009

Competição de reclinadas em PoA

Mais uma data histórica para o ciclismo reclinado. E dessa vez eu estava lá fazendo parte desse momento legal. No último domingo, 11 de Outubro, realizou-se a 3ª etapa do 2° Circuito Vale dos Sinos de Ciclismo em Porto Alegre. Quem estava à frente da organização era Eduardo Carlos Kohlrausch. Em Porto Alegre tivemos a parceria do pessoal do PoaBikers, que conseguiu descontos promocionais para seus associados. O evento contou com a participação de ciclistas de diversos locais do estado, e contou com diversas categorias incluindo, pela primeira vez, as reclinadas.
Já tivemos dois eventos nos quais as reclinadas haviam marcado presença em Porto Alegre. O primeiro foi uma competição de contra-relógio realizada em Setembro de 2008 (veja um texto sobre ele aqui) e o segundo foi a corrida australiana, realizada em Novembro de 2008, da qual podem ser conferidas fotos aqui.
Segundo os organizadores da etapa de Porto Alegre da Copa União de Ciclismo, esta abertura de espaço serviria como um teste para avaliar se as reclinadas de fato poderiam entrar definitivamente nos eventos promovidos por eles.
Percebia-se antes da corrida que parecia haver um certo receio por parte da equipe organizadora quando ao desempenho das reclinadas. Eles temiam baixas velocidades da categoria, o que para eles, poderia tomar um tempo excessivo no cronograma acarretando em atraso. Isso os levou a nos permitir realizar apenas uma volta do circuito de aproximadamente 7200m. Curiosamente, o Artur e o Klaus acabaram chegando À FRENTE até mesmo do pelotão de bikes speeds, que havia largado um minuto antes dos reclineiros.
Participaram da corrida 5 reclineiros, que já estão listados aqui por ordem de chegada:

Artur Carneiro
Klaus Volkman
Raul Sanvicente
Olavo Ludwig
Luis Franz

De minha parte, a última posição não pareceu um problema ou novidade devido ao fato de que aprontei a bike há pouco tempo. Também não tenho pedalado o bastante ainda para quem quer participar de qualquer prova ciclística. Pelo contrário, me sinto mais um vencedor do que um perdedor, por ter contribuído para mais essa conquista do ciclismo reclinado nacional. A visibilidade obtida pela nossa participação neste evento serviu como ponto de partida para as próximas provas de ciclismo que ocorrerão no interior do estado. Os organizadores se mostraram satisfeitos com nossa presença e lançaram o convite para que reclineiros estejam presentes em provas futuras.
Segue abaixo os dados do meu desempenho durante a corrida.

Distância total: 7.520 m
Velocidade média: 27,6 km/h
Máxima: 35,9 Km/h
Tempo total em movimento: 00:16:26

Bom!! Era isso!! Apreciem as fotos que arrecadei a partir de alguns links do pessoal que estava presente lá no evento. Me permitirei adicionar mais algumas nos próximos dias, conforme for achando-as pela web.

Abração e até o próximo post.

03 outubro, 2009

Pedal reclinado até o Aeroclube


Hoje comecei a fazer umas puxadas um pouco mais longas na HR24. Para tanto, resolvi repetir um pedal que havia feito até o Aeroclube de Porto Alegre alguns anos atrás (confira clicando aqui). Estou com um tosse daquelas de cachorro e mesmo assim não resisti a tentação de fazer o passeio. Às 06h00 pulei da cama, troquei de roupa e fui tomar um café em um posto de gasolina. Às 06h40 arranquei rumo à zona, ainda cruzando por gente visivelmente entorpecida voltando das festas. A lei seca parece ter se transformado em mais uma piada, assim como tantas outras iniciativas neste país. Mais uma vez, o passeio foi solicitário em sua maior parte. Já no final, ao chegar na Avenida Beira Rio, encontrei o Raul fazendo um treino em sua M5. O resultado foi que acabamos fazendo algumas voltas adicionais próximo à Usina do Gasômetro e batendo um bom e longo papo até quase 11h30 da manhã.


Para quem quiser conhecer o Aeroclube e a zona sul de Porto Alegre, recomendo um pedal como o que eu fiz. A paisagem é legal, o passeio bem cedinho é tranquilo e as máquinas que a gente encontra lá são muito interessantes (conforme pode-se apreciar pelas fotos).



Dados do pedal
Distância total: 57km
Velocidade média: 17,8 km/h
Máxima: 54,4Km/h
Tempo total em movimento: 3h12min


Ok??!!
Abração e até o próximo post!!

27 setembro, 2009

Dilvulgando reclinadas em Pelotas

Quem acompanha este blog já sabe que tenho dois irmãos mais velhos em Rio Grande, minha cidade de origem, e que o mais velho deles também curte bikes reclinadas. Inclusive já construiu mais dessas bikes do que eu (veja clicando aqui e aqui). O nome dele é Orlandi e por lá também é conhecido como Franz. Ele usa suas bikes quase diariamente no trajeto de casa para o trabalho e sempre que tem chances, procura divulgar essa categoria de ciclismo na região. Na semana passada ele saiu na edição de Domingo do jornal da cidade de Pelotas, chamado Diário Popular. Ele tinha escrito um texto bem legal para inserir na reportagem, o qual foi passado para a jornalista. Ela, infelizmente, não usou o texto recomendado por ele e acabou não dando uma ênfase muito forte ao tema central da entrevista, o ciclismo reclinado e as reclinadas artesanais. Ainda assim, a iniciativa e interesse dessa mídia pelas reclinadas foi bem legal e pode ser conferida clicando na imagem abaixo. Essas inciativas realizadas pelo meu irmão têm ajudado a tornar as reclinadas mais populares também na sul do estado, e além de ajudar a valorizar a criatividade e esforço dele em divulgar seu hobbie.

Parabéns ao Jornal Diário Popular, de Pelotas, pela sua iniciativa!!
Ao visitantes, uma abração e até o próximo post!!

26 setembro, 2009

Desenho bonito e limpo

A RaptoBike é uma fabricante holandesa de reclinadas bastante jovem. Iniciou sua atividades em janeiro de 2006 (primeiro modelo foi lançado na metade de 2007, durante o Cycle Vision) com a proposta de fazer reclinadas com um belo design, bem feitas, com componentes de alta qualidade e com preços atrativos. De fato, o preço do framekit da low racer deles, a única que era fabricada até algum tempo atrás, custava 849 euros. Um preço bom nos padrões europeus, embora ainda caro para nós brasileiros. Pelo que entendi, o processo de produção é totalmente artesanal e uma bike fica pronta para entrega entre 2 a 6 semanas. Eu já pedalei uma bike dessas e é muito boa. Lembro que perguntei ao dono da bicicleta quanto tempo durava a corrente dela, se era 800km ou 900km. Para minha surpresa, ele respondeu que vinha usando a mesma corrente há 8000km, e nunca teve problema algum, inclusive competindo como amador. Essa é uma boa informação para os céticos que criticam as reclinadas com corrente torcida. :-))

De vez em quando passo lá no website da RaptoBike e, para minha surpresa, esta semana estavam lá as fotos (as duas fotos acima, neste post) de um lançamento que eles vinham prometendo há muito tempo. O lançamento nada mais é qu uma reclinada midracer linda. Ela segue o design da empresa, embora lembre bastante o desenho proposto anos atrás por Mike Borrows (veja foto abaixo). Mas nada que possa configurar-se como uma cópia. O mais legal nas duas fotos divulgadas pela empresa é o desenho limpíssimo da bicicleta (eu adorei esse aspecto). Chegue a lembrar as lindas e "depenadas" bikes fixas.

O website ainda não tem preço, especificações ou vídeos. Por enquanto, nos resta admirar essas duas fotos e imaginar o peso e o desempenho dessa máquina.
Abraços e até o proximo post!!!

20 setembro, 2009

Primeiro pedal com a HR24 pintada

Depois de um longe período insessante de chuvas em Porto Alegre, finalmente a cidade ganhou de presente um domingo lindo de sol e temperatura amena. Os tradicionalistas devem ter ficado realizados, pois hoje é 20 de Setembro, o dia em que os gaúchos comemoram a Revolução Farroupilha. Normalmente chove exatamente na data do desfile gauchesco, mas dessa vez o tempo ajudou. Apenas a título de informação, os gaúchos conscientes não querem se separar do resto do Brasil, e pelo menos de minha parte, não faço associação alguma entre o caráter de uma pessoa e sua origem cultural, étnica, religiosa, geográfica, etc. Acima de tudo, somos todos seres humanos que erram, que erram, acertam e que tem sentimentos a serem respeitados. :-)) O que o movimento tradicionalista faz é criar uma identidade cultural para as pessoas aqui da região. Temos hábitos diários, roupas, danças e músicas os quais nos permitem criar uma unidade. Eu, por exemplo, encontrei duas pessoas na Europa que se tornaram grandes amigos meus graças ao fato sair pelas ruas de lá empunhando orgulhosamente o chimarrão na mão. Eles nos viram e identificaram de onde eramos e disso resultou a aproximação e a criação da amizade. Mas vamos ao que interessa, o pedal.
Hoje foi o primeiro pedal com a bike toda montada e pintada. Saí bem cedinho (07h00) para pedalar e depois me encontrar com o resto da turma lá pelas 08h30. Acabei encontrando o Daniel Lorenzini com sua Perfomer (bicicleta linda) e pedalamos 36km pela cidade batento um bom e longo papo. O resultado foi que acabei perdendo a hora e não consegui encontrar o pessoal para o tradicional GROM (Grande Reclinaço Oficial Mensal), que acontece todo último domingo do mês em Porto Alegre. A bike se comportou muito bem e consegui testar sua estabilidade ao descer uma avenida a 60km/h. Só não andei mais rápido por falta de coragem, já que a bike recém foi montada de forma definitiva e ainda quero ter certeza que não terei surpresas em alta velocidade. :-)) O próximo passo será regular melhor os freios e corrigir a colocação inadequada do cabo do câmbio dianteiro. Depois pretendo colocar pedais com clipe e comprar sapatilhas, pois dizem que isso dá ótimos resultados em termos de conforto e desempenho.

Bom!! Por hoje era isso. Vamos ver se no próximo pedal terei a máquina fotográfica em mãos, para apresentar uma foto tirada durante o passeio. Por hoje, fica a foto acima, tirada aqui em casa mesmo.

Abraço a todos e até o próximo post.

17 setembro, 2009

Velomobilanfíbio! ! ! !

Oi Pessoal, Olhem o que achei na web!! É uma reclinada para quem quer reclinada, é um trike para quem quer um trike, é um velomóbile, e.... é um veículo anfíbio. Isso mesmo!! Um veículo que anda na terra e na água!!

O veículo foi feito artesanalmente, possui propulsão assistida e tem um visual muito bonito. Para quem quiser ver fotos do veículo é só acessar o website do construtor, David Buchwaldek, da República Checa.

O website do cara é http://www.esoteric-david.eu/en-page-33.html, e tem até vídeos mostrando a invenção dele em ação.


Abração a todos, e até o próximo post!!

11 setembro, 2009

HP3 de com website novo

Este post é só para comentar que a HP3 (um dos únicos fabricantes de triciclos reclinados em série no Brasil) está com um website totalmente reformulado. Vale à pena passar lá e ver a nova interface utilizada para divulgar os produtos da empresa. Para tanto para acessar o link: www.hp3trikes.com.br.
Parabéns e sucesso ao Arthur Mello, pelo novo site de sua empresa.
Aos demais, abraços e até o próximo post!!

04 setembro, 2009

Meu pai teve uma Handcycle

Há alguns dias atrás comecei a lembrar de umas coisas as quais ainda não tinha percebido. Quando era pequeno, na minha família, já presenciei de perto a experiência de fazer uma reclinada artesanal dentro de casa. Tudo bem que não era muito reclinada, mas já poderia ser facilmente encaixada nas concepções de handcycles que conhecemos por aí. Explicarei melhor os detalhes.
Meu pai era cadeirante devido a um acidente do trabalho, quando eu tinha um ano e meio. Diga-se de passagem, quando eu era pequeno achava que meu pai já tinha nascido com uma cadeira de rodas. Eu me divertia usando seus equipamentos, a maior parte construídos em casa (somente as cadeiras de rodas não eram artesanais). Fazia coisas do tipo, ficar me equilibrando só em duas das quatros rodas da cadeira e ficava pedalando em um triciclo tracionado somente pela força dos braços, ou seja, uma handcycle. Nas fantasias em minha cabeça, deveria imaginar que estava em uma nave espacial ou algo parecido. :-)))
O curioso, e que eu ainda não tinha me dado conta, é a forma como projeto foi desenvolvido. Meu irmão mais velho (o mesmo que constrói reclinadas hoje) tinha uns 17 anos na época, e ajudou no projeto do triciclo para meu pai. Não tinhamos muito acesso a revistas, a não ser em um barbeiro na frente de casa, que colecionava revistas Veja. Em termos de canais de televisão, só tinhamos a Rede Globo mesmo e, às vezes, a Bandeirantes. Mesmo assim, meu irmão se ligou de seguir as seguintes etapas de um projeto:


1. Desenhar algumas possibilidades de triciclo, com a exposição das idéias de meu pai;
2. Fazer uma maquete, em escala;
3. Construir um moke up (modelo em tamanho natural), usando pedaços de madeira velha;
4. Construir o veículo em sua forma final.


O resultado foi uma handcyle sem marchas, mas que possuia um sistema de suspensão para as rodas traseiras do tipo "balança", e um design bastante clean. A suspensão era similar ao que se encontra nas motos, mas com dois amortecedores.

Na foto (da esquerda para a direita): Eu, Meu pai, Minha mãe e minha irmã. Dia da minha comunhão no início da década de 80.


Infelizmente, descobri somente uma foto deste veículo maravilhoso. Quando meu pai ficou mais velho, acabou doando o triciclo para um cara da minha idade, o qual teve paralisia infantil e que morava em uma favela lá perto de casa.
Depois de muitos anos, meu irmão tentou repetir o feito, mas acabou não dando certo como na primeira vez, e meu pai nunca o utilizou (foi doado novamente).
Grandes saudades do meu velho!!

Abraços a todos e até o próximo post!!

29 agosto, 2009

HR24 Pintada

Vou fechar o mês de agosto com um post que me alegra muito. Finalmente, consegui fazer uma pintura em minha bike. Até então não havia pintado por conta dos vários testes pelos quais queria que a reclinada passasse. Ao que tudo indica, mudanças só ocorrerão se construir outra :-)). Hoje mesmo, ao pegar o quadro e demais peças, tudo pintadinho, me ocorreu a idéia de testar o aro 26" no garfo 24" e adivinhem: ficou perfeitinho. Infelizmente, como não deixei esperas para freio a disco, a bike terá que ficar com sua configuração dual 24", embora ainda desconfio que seja possível colocar uns freios ferradura como aqueles usados nas bicicletas road ou speed. Ao amigos reclineiros de PoA, meu sumiço dos pedais é exatamente o fato da bike estar desmontada a vários dias por causa da pintura.
As fotos não passam o verdadeiro tom de laranja utiizado na pintura. Para quem mora em Porto Alegre, basta falar que é o mesmo utilizado nos taxis da capital :-)), e para quem não mora, posso dizer que é muito próximo de um vermelho. Como a pintura é feita em epoxi (dentro de um forno enorme junto com dezenas de outras peças) e tudo passou por um jateamento prévio, não há como personalizar as cores, só restando escolher as que o executante do serviço possuía. Coisas de produção em escala (acabei de lembra de Ford: "escolha a cor que quiser, desde que seja preto!!" :-)) ).
Um detalhe importante. Eu queria montar a bike toda ainda hoje para poder apreciá-la, mas não será possível. Com a pintura epoxi, algumas peças ficaram acima do tamanho que deveriam, e algumas nem mesmo encaixaram nos seu devidos lugares. Isso me obrigará a inclusive, a lixar algumas partes que, por sorte, ficam bem escondidas depois que a bike esta montada. Outro motivo de não montá-la hoje é que dessa vez a montagem será para valer, ou seja, comprarei alguns acessórios novos e montarei devidamente lubrificados e como manda o "figurino".
Para quem estiver curioso quanto a combinação final das cores utilizadas, é só olhar a simulação na figurinha abaixo.
Jurei de pé junto que não passaria trabalho construindo outra reclinada, mas hoje mesmo, já estava maquinando coisas mirabolantes em minha cabeça. :-)))) ÊÊÊÊÊta bichinho teimoso esse. :-)))

Abração a todos e até o próximo post.

07 agosto, 2009

Show de Acidentes

Não deixem de olhar o vídeo abaixo. Ele consiste em um seqüência de acidentes envolvendo velomobiles, durante uma competição. Aparecem até dois atropelamentos com assistentes de prova. Um dos acidentes, no qual chocam-se dois competidores poderia inclusive ocorrerem problemas sérios.

Apesar da falta de cuidados mais sérios com a segurança, o vídeo é muito legal, pois nos faz pensar em novas possibilidades para esses veículos maravilhosos. Algo juntando o conceitos de tilting trike e centro de gravidade mais baixo talvez permitisse resultados mais satisfatórios. Já vi ao vivo velomobiles "voando baixo" durante o Cycle Vision 2008. Eles faziam todas as outras reclinadas (inclusive lowracer e highracer's da M5) comerem poeira. Mas não vi nenhum acidente com velomobiles lá. Queria poder ver novamente vários velomobiles de perto em uma situação como é apresentado no vídeo.
Quem sabe um dia não vejo!! :-)
Sonhar não custa nada!! ;-)

Abração a todos e voltem sempre!!

Até o próximo post!!

01 agosto, 2009

De volta ao pedal e ao Blog

SOBRE O PEDAL
Olha minha cara de alegria na foto acima. O volume na barriga não é "pneuzinho", mas, sim, devido a um casaco que eu estava por baixo da blusa preta para não passar frio :-))). Tinha acabado de chegar de uma boa e longa pedalada por dentro da cidade de Porto Alegre. Estava sem pedaladar há um bom tempo devido a minhas metas pessoais, sobretudo, a que se referia a terminar meu doutorado. Pois sexta feira passada realizei a defesa de minha tese, e correu tudo bem. Resta agora fazer as revisões exigidas pela banca. Pois, já na quarta-feira fui em um torneiro mecânico e fiz a peça definitiva para a fixação do guidon. Agora faltará somente pintar a bike e montá-la de forma definitiva.
Para comemorar hoje dei uma boa pedalada pela cidade sob um frio gostoso e um sol maravilhoso. Para completar, ainda vi uma reclinada artesanal linda, a qual pertence ao Ioberto Banunas. A bike dele é realmente magnifica, mas não cheguei a fotografá-la.
Bom!! Muito outros compromissos já estão a caminho, como aulas, trabalhos para empresas, pesquisa, e redação de artigos, mas a principal meta deste último semestre foi finalmente cumprida com êxito. Assim, acho que o blog volta à vida denovo. Devagar e sempre.

UMA NOTA SOBRE MEU BICICLETÁRIO
Para quem me conhece ou já leu o blog nos últimos anos, sabe que moro em um JK (T0 para os amigos portugueses). A construção dos últimos detalhes da reclinada em um JK não é nada divertido :-)). Guardá-la num apartamento desse tipo também nao é algo muito legal. Para minha sorte tive a ajuda de uma moradora do prédio onde moro, que liberou um cantinho em sua vaga da garagem para eu guardar minha bike. O resultado ficou bem simples e legal, e ainda descobri que de fato minha bike não é tão grande quanto parece. O bicicletário é tudo de bom!! ;-))
Abração a todos, e continuem visitando o blog, pois ele não morrerá tão facilmente.
Até o próximo post.

22 maio, 2009

RECLIFORUM

Aqui vai uma notícia rápida mas interessante para quem gosta de ciclismo reclinado e alternativo. Depois de conversar muito com uns amigos aqui em Porto Alegre, concluímos que fazia falta para nós, brasileiros e espânicos, um espaço mais estruturado para troca de idéias sobre reclinadas e ciclismo alternaivo. Existe hoje a lista VPH Brasil, amplamente visitada, mas com uma estrutura que atrapalha um pouco a busca por tópico, soluções, etc.
Surgiu então a idéia de criar um fórum. Pesquisando na internet achei uma estrutura que parecia ser interessante, e que está funcionando relativamente bem nos primeiros testes. Não sei como se comportará no futuro, em termos de espaço de memória, e coisas afins. A própria interface do fórum ainda está sendo lentamente construída, e levará um tempo até ficar pronta. Mas, eventuais problemas só serão evidenciados com o uso do recurso.
Já tem alguns debates interessante lá. Para participar, basta registrar-se.
Para os usuários de listas como o VPH Brasil lembrem que lá é possível criar um novo tópico para cada assunto novo. Assim, a pesquisa será facilitada e as informações melhor organizadas.
Sendo assim, sendo bem-vindos ao RECLIFORUM.
Outros posts sobre o assunto aparecerão no futuro.
Abraços, e até o próximo post.

17 maio, 2009

Domingão e GROM

Hoje, já como de costume, saí bem cedinho para dar uma pelada. Para minha surpresa, Porto Alegre estava muito movimentada e cheia de carros pelas ruas, já às 7 horas da manhã. Mesmo assim, tive a chance de curtir um pouco da beleza da cidade. O rio estava envolto em um nevoeiro que ía se dispersando rapidamente e dando lugar a uma combinação de cores lindas, que variavam entre o azul, verde e branco.
Depois de pedalar um pouco fui para a saída do GROM (Grande Reclinaço Oficial Mensal), prevista para 9h. O grupo de reclinadas neste GROM passou de 12. Tinha até outra M5 schock proof, num total de 3, e um triciclo HP3, o qual mereceria um post só para ele. Detalhes do passeio certamente serão postados pelo Artur, em seu blog Pés pra Cima nos próximos dias, embora darei um jeito de colocar uma fotinha do encontro aqui. :-))

Fotos do GROM podem ser vistas em:

Flog do Olavo Ludwig: http://olavolu.multiply.com/photos/album/11/GRNOM_17052009
Flog do Daniel Lorenzini: http://picasaweb.google.com.br/dmacloren/GROM#
Flog do Alex Berta: http://picasaweb.google.com.br/alexberta/GROM20090517#

Bom, por hoje era isso!! Não posso me estender!!
Continuem aparecendo por aqui. Prometo que depois de agosto o blog passará a ter posts com maior frequência. Por enquanto, seguimos nesse ritmo devagar e sempre. :-)))
Abração a todos!!

26 abril, 2009

Domingo cedo - Pouco Trânsito e paz

Hoje fiz mais um pedal básico de domingo, bem cedinho. Para quem ainda não sabe, é um ótimo horário para pedalar. Afinal, a cidade ainda está meio vazia, com um ar agradável e sem o trânsito ridiculamente caótico que tomou conta de Porto Alegre no último ano. Hoje a cidade estava com um nevoeiro denso que deixou a bicicleta cheia de pingos d'água e me obrigou a pedalar sem o óculos. A bike está com folga no canote do guidon, mas isso só arrumarei quando sobrar tempo, pois tenho andado bem ocupado com minhas atividades profissionais. Não é por acaso que dou essas pedaladas rápidas e curtas só nos domingos pela manhã e mantenho esse blog atualizado na "raça" :-)) . Mas estou certo que daqui uns meses tudo ficará mais calmo.

Para completar o post, vou colocar um texto aqui que extraí de outro site e, posteriormente, revisei (segue aqui o link). Aos menos informados, o monumento da foto não foi feito por nenhum pervertido, o que se vê nele não são seios e sim, cuias ou cabaças (como diriam meus amigos portugueses). É uma homenagem a nosso tradicional hábito que adotamos dos indígenas, de tomar chimarrão. O texto abaixo deixará mais claro:

"A obra, Supercuia, foi confeccionada em resina sintética (acho que é o mesmo material do banco da reclinada) e apresenta 12 formas idênticas, que compõem um dodecaedro, com diâmetro externo de 6,5 metros. Segundo o autor da obra, seu objetivo era unir a forma sensual da cuia de chimarrão ao vigor platônico do dodecaedro regular.
Após a exposição da peça durante a 4º Bienal, na Usina do Gasômetro, esta foi doada ao Município e inaugurada pelo então prefeito e pelo presidente da Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Ao término da exposição, sua localização passou a ser a Esplanada Hely Lopes Meirelles, próxima ao Anfiteatro Pôr-do-Sol, na orla do Guaíba.
O autor da obra, Saint Clair Cemin, nascido na cidade de Cruz Alta, aqui no nosso estado, foi o artista homenageado na 4ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, ocorrida em 2003 na capital gaúcha."

Era isso!!
Abração a todos e até o próximo post!!

23 abril, 2009

Nova AZUB - Bonita e "Barata"

A AZUB é uma inovadora construra de reclinadas européia. Para mim, essa empresa está entre as mais inovadoras na área, pois sempre aparece com coisa novas na área. Um exemplo é a sua reclinada para Downhill e outro exemplo foi o desenvolvimento de uma reclinada há alguns anos atrás usando uma interatividade enorme com os visitantes de seu site.
Pois agora a AZUB aparece com mais uma novidade, a Azub Eco, um reclinada que além de bonita e bem acaba, também é barata. A última iniciativa que tinha visto neste sentido, foi a Fuenda, há alguns anos atrás (produto desenvolvido com o apoio da Challenge).
O que mais chama a atenção nesta nova bike é o desenho de seu banco. Ela é toda em alumínio e custa 840euros, ainda caro para a gente, mas muito barato se comparado com as outras reclinadas européias. Se alguém resolver enconmendar um kit (que deve ser mais barato ainda), me avise, por tenho curiosidade de saber quanto sairia uma dessas entrando aqui no país.

Agora, só para fechar o post, coloquei aqui o desenhinho abaixo (fui eu que fiz). Em dezembro de 2008 pesquisei algumas bikes com aros 20"x20", e cheguei a pensar em montar a minha com essa configuração. Na época resolvi não ir tão longe nas alterações de meu projeto, mas ficou a semente (vejam os posts Highracer-26x26 - Quase 20x20 e Testando uma 20x20). Observem as semalhanças com o modelo proposto pela AZUB. Aaaaaahhh se eu tivesse uma oficina em casa....!!! :-)))


Bom!!! É isso!!!

Abração a todos e até o próximo post!!

17 abril, 2009

Bici Insana - lowriders and choppers

Olá Pessoal,

Recebo aproximadamente umas 4 mensagens por semana pedindo dicas sobre como adquirir, como construir, dicas de projetos e desenhos, tudo relacionado à bicicletas choppers e lowriders. Aqui no Brasil não há ainda fontes muito grandes de inspiração e fornecimento para esses tipos de bike.
Pois essa semana descobri o blog de uma cara de Curitiba, que talvez ajude alguns curiosos e construtores. O blog saiu do forno a pouco, em final de 2008, mas é muito rico em imagens inspiradoras para quem quer ter uma chopper ou lowrider. Eu mesmo copiaria algumas soluções que achei lá se fosse construir uma dessas bikes pra mim.


O nome do blog é BiCi InSaNa, e o nome do seu dono Elizeu. O link está ao lado direito aqui do blog, dentro da seção outros blogs interessantes.

Boa sorte em seu blog, Elizeu!! E mantenha-o sempre atualizado com fotos interessantes.

Abraços, e até o próximo post!!

13 abril, 2009

The Recumbentblog renasce

Oi Pessoal!!

Notícia rápida, mas ótima!!
Acabei descobrindo através do blog Pés pra Cima que o Recumbentblog voltou a atividade.
Não me aprofundarei aqui em detalhar a notícia de tal retorno, pois o Artur (do Pés pra Cima) já fez isso.
Espero que o Recumbentblog volte com o mesmo nível de qualidade gráfica e informação que tinha antes de sua hibernação. Eu mesmo já havia até deletado seu link aqui do blog, onde procuro manter na lista somente os sites que tenham uma certa taxa de atualização.
Pois, agora ele com certeza estará de volta.
Como já disse o Artur, lá em seu blog:
Vida Longa e Próspera ao novo "The Recumbent Blog"!

Abraços e até o próximo post!!

09 abril, 2009

Projetinho legal

O que estou postando hoje aqui não tem muito a ver com reclinada. Mas não descarto que possa vir a ter no futuro. A Segway, depois de lançar "a coisa" e um quadriciclo que anda só nas rodas traseiras e influenciar o projeto de uma moto de uma única roda da Bombardier, agora lançou em parceria com a GM um veículo alternativo. Curiosamente, o projeto aparece num momento ruim pelo qual a GM está passando e que remeteria muito mais à situação mostrada no cartoon abaixo.
O design parece legal, embora alguns probleminhas soltam facilmente aos olhos. Por exemplo:
a. Depois de ver o video do projeto, imagine alguém de 1,80m andando no veículo;
b. Imagine alguém acima de 90kg andando no veículo;
c. Não parcere haver regulagens que permitam obter um conforto ao gosto do usuário.
Sinceramente, não li o texto na página da Segway, onde já devem ter argumentos para estas e outras críticas. E sabemos que criticar é fácil. Ainda tem outros aspectos ligados ao gasto energético do veículo, o qual imagino que poderia ser reduzido se ele tivesse 3 rodas ao invés de equilibrar-se sobre duas. Desconfio que ele só fará sucesso mesmo em aeroportos, campos de golfe, shopping e similares.
Contudo, no geral, acho a idéia curiosa e fico pensando se logo logo alguém não fará um veículo similar a este, mas com a possibilidade de andar reclinado. :-))


Abraços a todos!!
Até o próximo post.

22 março, 2009

Domingo lindo - Pedal básico

Hoje pela manhã teve um pedal básico. Como não era o último fim de semana do mês, o Olavo Ludwig (quem organizou o pedal) resolveu chamá-lo de GRNOM (Grande Reclinaço Não Oficial Mensal). O que tem acontecido de interessante nos últimos pedais com reclinadas que participo é a integração de diferentes modalidades de bicicletas, não ficando restrito às reclinadas e dando um clima democrático e integrador. Acabo conhecendo várias pessoas legais e com gostos ciclisticos variados.
Fizemos um percuso já comum, até o bairro de Ipanema, ida e volta, totalizando umas 3 horas e meia de boas pedaladas e muito bate-papo. A HR24, mesmo sem o câmbio dianteiro, com câmbio traseiro não-regulado, sem almofada no banco, está se mostrando ótima. Assim que pintá-la e montá-la de forma definitiva e com os ajustes ainda necessários, acho que terei uma ótima máquina em mãos.

Na foto aparece a turma que participou do pedal, bem como no vídeo, postado pelo Wagner (segundo da direita para a esquerda, na foto da turma). Me disseram que o virus da reclinada tb está querendo pegar ele. ;-))

Obrigado aos amigos pelo ótimo pedal que me proporcionaram.

Mais fotos podem ser vistas AQUI NO FLOG DO ALEX BERTA.

E ao visitantes, apareçam sempre.

Abração e até o próximo post!!

15 março, 2009

HR24 - Opiniões femininas

Já tenho dado umas boas pedaladas na bike antes de partir para a pintura. Hoje, contudo, tive a chance de partir para um testezinho um pouco diferente.
Duas amigas e minha esposa resolveram experimentar dar umas pequenas pedaladas. Minha esposa já experimentou todos os modelos que montei. Contudo, nossas amigas, até hoje, nunca haviam ao menos sentado no banco de uma reclinada, e mal viram algumas EXD's ao longe, andando por Porto Alegre. Logo, a situação era boa para ver como alguém que nunca subiu em uma reclinada se sairia experimentando minha HR24.
As alturas das ciclistas variaram de aproximadamente 1,75 a 1,60. Assim, tive que regular as várias posições de banco. O resultado foi "nenhum tombo" e boas pedaladas. O que elas mais estranharam foi o guidon em "U" (problema rapidamente resolvido com uma breve explicação minha sobre como fazer as curvas). Minha esposa estranhou um pouquinho a altura do banco, achando um pouquinho alto em relação ao chão (quando se chega o banco para a frente, também se aumenta a altura dele relativamente ao chão).
Bom mesmo seria ter vários exemplares da bike para sair todos aos mesmo tempo, testando a máquina em pedaladas mais longas e em grupo. :-))
Bom!! É isso!!
Abração a todos e até ao próximo post.