26 novembro, 2007

Resposta aos visitantes

Tenho ficado bastante surpreso com a participação de diversos visitantes interessados no tema bicicletas choppers e bicicletas lowriders. Eu imaginava até então, que estas bicicletas eram mais difundidas e acessíveis que a reclinadas, sobretudo no Brasil. Terei um pouco de dificuldades em responder todas as mensagens durante os próximos dias, pois estou bastante ocupado com minhas atividades aqui na universidade. Contudo, gostaria de combinar o seguinte:
Continuarei lendo todos os comentários e emails recebidos e responderei os mesmo através de um único post, pois percebi que, de um geral, as mensagens apresentam um certo padrão, tratando quase sempre dos assuntos relacionados à aquisição e construção de choppers. É muito legal descobrir que poderei ajudar num tema que até então eu não interagia, pois meu foco principal tem sido predominantemente as bicicletas reclinadas.
Combinado??
Continuem visitando e participando do blog que, dentro de alguns dias estarei dando respostas. Só para fechar essa resposta, falarei algo para deixar os amantes das choppers, no mínimo, curiosos. Parte das bicicletas usadas no projeto BUTE, aqui na UM, são choppers e já vi uma de perto. A bicicleta é realmente, bem legal.
Abraços a todos e em breve nos falamos!!

11 comentários:

  1. Olá, estou querendo iniciar na pedalada, vc pode me indicar a bike? Gostaria de saber se posso usar a mesma bike para asfalto e barro, obrigada pela atençao
    abraço
    Marcia

    ResponderExcluir
  2. Olá Márcia

    Casualmente alguém Porto Alegre me fez exatamente esta pergunta semana passada, e ontém um chileno que estuda comigo aqui em Portugal também a fez. Espero que seja sinal de que as pessoas estão buscando mais bicicletas. :-))
    Eu farei o seguinte. Reproduzirei abaixo o texto que enviei para esta pessoa de Porto Alegre na semana passada, ok?? Uma das configurações de bike que cito abaixo (CALOI 100 SPORT) andara bem tanto no barro quanto asfalto. Aí, se surgirem dúvidas pode me chamar novamente. Abração, e obrigado pela visita ao blog.

    "Qual a melhor bike para iniciar a pedalar??
    Me fizeram esta pergunta várias vezes.
    É sempre um pouco dificil responder, mas vamos lá.

    Bom, existem bicicletas de todos os tipo e preços por aí.
    Eu sempre acho bom a gente primeiro testar nossa dedicação a algo antes de gastarmos em algo que pode ficar parado depois na garagem.
    Então lhe aconselho o seguinte:
    1. Não compre aquelas bicicletas tipo de supermercado. Elas, às vezes, são muito bonitinhas aos olhos menos atentos, mas podem ser tão ruins que nos façam pensar que pedalar é péssimo. Ou seja, barato demais, desconfie, pois te dará despesa no futuro.
    2. Começa apostando em conforto e simplicidade. Para isso, dois modelos se prestam muito bem (não são os mais baratos, nem os mais caros, mas te darão maior uma noção prazer ao pedalar):
    2.a. CALOI 100 SPORT - Aro 26 (http://www.caloi.com/) - Tem uma geometria que permite bastante conforto nas pedaladas e é bem bonita;
    2.b. ELITE 2.1 - Tam. 20'' (http://www.caloi.com/) - Modelos como este da caloi (quadro rígido e com suspensão dianteira) são bem versáteis e poderão te levar de pedaladas curtinhas a pedaladas muito longas, por todo tipo de terreno e sem maiore desconforto. Na hora de comprar, pede o quadro de acordo com teu tamanho. O quadro Tam. 20" é meio grande para alturas menores que 1,60cm. Se tiveres 1,70cm, aconselho o quadro tamanho 18" ou até mesmo o 16", pois são menores e te darão maior agilidade. Uma outra vantagem desse tipo de modelo, é que as lojas montam eles juntando peças de várias marcas, e às vezes isso pode sair mais barato para ti do que uma caloi. Ok??
    2.c. Não sei onde moras, mas se for em Porto Alegre, procura do pessoal que pedala Segundas (Ecoposto às 20:00), Quarta (Em frente à Bikesul às 19:00) e Sexta (Café da Redenção às 20:00). Lá verás todo o tipo de bikes e, principalmente, o model 2.b.
    2.d. Para fechar, não poderia deixar de falar das reclinadas. :-) Se tiveres uns trocos a mais sobrando, pensa na possibilidade de comprar um EXD (http://www.zohrer.com.br/). Em Porto Alegre tem uma turma que pedala todo terceiro domingo do mês, pela manhã (+ ou - 08:30). Se fores na saída do passeio, tenho quase certeza terá alguém com uma EXD lá para esperimentares. olha eles lá no blog (www.pespracima.blogspot.com). OK??

    Espero ter ajudado!!
    Se ficar dúvidas pode retornar a chamar"

    ResponderExcluir
  3. Hola Luis Franz, perdona que no te escriba en portugués, hace poco que he descubierto tu blog y me ha encantado, te felicito. El sábado pasado empecé a construir una lowracer y ya estoy soñando en poderla disfrutar.
    Un abrazo desde Barcelona,
    José

    ResponderExcluir
  4. Oi Luiz. Não é um comentário, mas uma pergunta. Estou de muda para outro país e pensando em comprar uma reclinada por lá. A propósito de comentários acerca da enorme diferença de pilotar uma reclinada com suspensão traseira te pergunto se tu achas que seria de se dar preferência para estes modelos, levando em conta que ñ pretendo fazer off-road. É curioso que a maioria dos modelos de reclinadas são rígidas, levando a pensar que em pisos ñ tão ruins o conforto ñ muda muito. Em especial uma (Bacchetta) que me interessa, ñ tem nenhum modelo suspendido. A propósito, muito legal teu blogg; leio sempre que dá.
    Obrigado pela atenção e saudações;
    Eduardo

    ResponderExcluir
  5. Oi Eduardo,

    Bah!!! Pergunta difícil essa.
    Afinal, a escolha de uma bike envolve MUITO o parece pessoal do comprador.
    Portanto, vou te dar uma opinião pessoal. Mas ela será meio ampla, pois só tu mesmo conseguirá sentir a bike pela qual te apaixonarás.

    No meu ponto de vista existem duas grandes linhas de reclinadas, para mercados distintos. O mercado americano gosta de bikes longas e rígidas. No mercado europeu predominam as bikes mais compactas e com suspensão.
    Eu entendo que, com exceção das bikes direcionadas para a competição, o usuário deve sempre tentar optar por reclinadas com suspensão. Não é raro ver relatos de reclineiros que, quando entram na bikes com suspensão, dizem que descobriram o paraíso.
    Mesmo que pretendas pegar estrada, ainda entendo que podes optar pela bicicleta com suspensão pois podes regular a mesma para que fique mais rígida. Sinceramente, nunca vi as americanas de perto, mas acho que bicicletas com baixo peso podes achar em ambos lugares.
    Se tiveres a chance de ir a um lugar ou evento onde possas experimentar várias, vai, pois isso te ajudará muito em termos de comparativo para decidir com que bike ficar.
    Espero ter ajudado.

    Quando comprares tua bike, manda um relato aqui para o blog comentando tua experiência internacional.

    Ok???
    Qualquer coisa é só dar o toque!!

    Abração,

    FRANZ

    ResponderExcluir
  6. Oi Franz. Obrigado pela resposta. Deu uma boa idéia sobre o assunto. Como pretendo no mais das vezes me deslocar dentro da cidade sobre duas rodas e pedal, acho que vou dar preferência pelo conforto mesmo. Minha idéia era levar um quadro rígido daqui e montar lá o resto, por motivos estéticos mesmo.
    Assim que me "engatar" mando foto.
    Saudações ciclísticas;
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Franz. Sobre teu comentário acerca da escolha com ou sem suspensão, me parece que aquele renomado fabricante fluminense de reclinadas está focado mais no modelo para competições ou visando performance, não? Me refiro ao carro chefe da marca, uma vez que ñ é suspendida. Haveria um "clamor" por um modelo c/ suspensão traseira? Desculpe a "masturbação" mental, mas acho legal agregar conhecimento. Especialmente dos "gurus".
    Saudações.

    ResponderExcluir
  8. Oi Eduardo,

    O "guru" de quem você falou não é eu né?? Se você soubesse o quanto é baixo meu conhecimento técnico frente a outros apaixonados por bikes, se surpreenderia. :-))
    Obrigado por tornar este blog um ponto de reflexão.
    Minha resposta em relação a este fabricante é a seguinte:
    Eu admiro fortemente ele, seja pelo seu posicionamento e planejamento estratégico, seja pelo seu perfil profissional. E admiro a qualidade do carro chefe dele, embora o desenho não me agrade (e isso é uma opinião pessoal que não fere a qualidade do produto).
    Aquele desenho ao qual ele chegou tem um motivo, que se resume em atingir a maior parcela de pessoas. Ou seja, o modelo é um dos mais fáceis de pedalar, e o mais aceitável aos olhos de quem acaba de conhecer as reclinadas.
    O que entendo é que ele não colocou a suspensão visando: reduzir possibilidade de problemas construtivos, reduzir custo de construção e reduzir peso. Mas bike tem vocação para andar bem mesmo é dentro da cidade e em alguns casos de cicloturismo.
    O que acontece é que alguns fãs incondicionais do produto insistem que se pode fazer até "surf" e "jogar futebol" com esta bicicleta. Isso é um grande problema, pois acaba até escodendo do fabricante as possibilidades de melhoria no produto. Entendo que é da crítica construtiva que vem o crescimento, e essa bike não sofre as críticas construtivas que deveria, para ajudar no crescimento técnico do próprio fabricante.

    O texto acabou ficando grandão. Mas, o objetivo é era responder a sua pergunta, ou seja, definitivamente, não acho que este modelo ao qual você se referiu seja voltado para competição. Para essa aplicação aconselharia procurar outros desenhos.

    Compreendeu, amigo???

    Desculpe o excesso de texto.

    Abração, e apareça sempre.

    FRANZ

    ResponderExcluir
  9. Hola Franz. Gu-ru: Aquele que dissipa a escuridão. Obrigado pelas luzes. Me parece que tb. tem um quê de espírito de grupo em torno da marca. Muito saudável, afinal somos gregários(fora alguns lobos solitários), mas que reduz mesmo a chance de críticas. Já experienciei isto num outro contexto. A tal egrégora como que isola o contestador. E ainda sobre o viés técnico, chama a atenção que os usuários do modelo em questão ñ sentem (ou ñ referem) falta de molas traseiras. Assim como as recumbents americanas parecendo que encaram qquer piso. Talvez por uma recli'da ser muito mais confortável nos outros aspectos do que as verticais, estas verdadeiros potros de tortura. E aquela é outra questão; porquê a preferência dos primos do norte por máquinas rígidas? Então ñ seriam tão mais vantajosas as molengas?
    Ficou 1/2 longo tb., mas acho que vale a provocação. E percebeste que minha atual obsessão à parte as magrelas é o ter ou ñ ter uma fofura extra. Aquela máquina da qual falamos já ñ tem um quadro absorvente a ponto de dispensar uma helicoidal? Pois te digo que me agradou a retina. Até pensei em levar o quadro e montá-la lá com peças melhores de lá. O que tu achas? Já me aconselharam a ñ fazer, mas como estou mais bem assessorado agora, fica a pergunta. Toda esta espiral de fatos e questionamentos acredito que vai amalgamando uma situação de trocas progressivas e mais profundas. Agora derrubei os butiá do bolso. Deixo um abraço com cheiro de pasto e guajuvira!
    Educicleta
    Saudações
    Educicleta.

    ResponderExcluir
  10. Oi Eduardo,

    Seus textos estam ficando gradualmente mais desafiadores. :-)
    Mas, naturalmente, levam a uma agradável leitura. Confesso que fui pesquisar o significado de "egrégora" no dicionário.
    Olha só!! Vou tentar contribuir com tua dúvida.
    Eu deixaria para experimentar e comprar minha "recumbent bike" lá fora. Esta seria a estratégia. A tática seria pesquisar desde agora eventos, lojas e fábricas de reclinadas na minha região de destino. Assim, experimentaria várias por lá e escolheria a melhor.
    O máximo que poderia acontecer ao usar essa tática seria chegar ao Brasil insatisfeito com as gringas. Aí bastaria comprar o modelo nacional do qual você se refere.
    Sinto um sotaque meio gaudério nos seu último texto. Estaria eu ajudando um chirú dos pampas à procura de uma bicicleta macanuda?? :-))

    Abração, tchê!! :-))

    FRANZ

    ResponderExcluir
  11. Hola, que tal? Sim, está ajudando bastante! Vou seguir teus abalizados conselhos. A propósio, que bela máquina construíste! 24X24 ficou bem legal. O guidão ( muito parecido com os do tipo usado nas Bacchetta) parece ter mesmo uma certa dificuldade em curvas mais fechadas, conforme relatos, mas plenamente contornável. Fico pensando em como fica a pedalada em uma subida em curva, quando ñ dá prá parar de pedalar.
    De qquer forma ficou "tri macanuda"!
    Saudações ciclísticas e ótimas festas prá ti e família.
    Eduardo.

    ResponderExcluir