29 março, 2007

Como o Buck Rogers!!

Quando eu era guri, ficava imaginando como seria poder andar em uma nave. Pensava num brinquedo onde eu pudesse me imaginar como um piloto em seu cockpit. A solução, na época, era entrar para dentro de uma caixa de plástico e me tapar com um tabuleiro de "futebol de mesa". O resto ficava por conta da imaginação. Segundo Mário Quintana, às vezes não crescemos e nos tornamos eternas crianças. Algumas dessas crianças continuam brincando de guerra, e matando gente de verdade. Eu preferiria me sentar no cockpit da nave, da foto, pois acho que dentro de mim ainda tem um pouco de criança arteira e viajandona. Mas, bom mesmo, seria conferir o site desta preciosidade. Visite o link http://www.go-one.us/.

28 março, 2007

Site da Optima de cara nova

A fabricante de reclinadas Optima está com um site reformulado. As mudanças não são muito significativas. Uma boa mudança é o posicionamento do menu ao lado direito que permite menor movimentação do mouse, ou seja, é ergonomicamente mais correto.

25 março, 2007

Ângulo do Garfo

No post "High Racer 26x26 - Parte 5" o Marcelo Varda, um reclneiro de FLORIANÓPOLIS - SC, me questionou sobre o ângulo no qual eu tinha colocado o garfo de minha reclinada. Segundo ele, sua reclinada parecia um pouco "nervosa", ou seja, instável. Bom, Varda, na minha opinião têm vários fatores que interferem na estabilidade de uma bicicleta. Gostaria de falar sobre dois deles.
O primeiro é o tamanho da roda. A bicicleta (segundo Peter Senge, um cara que discute gestão do conhecimento) é algo que segue uma lógica exatamente oposta ao que nosso cérebro aprende em nossas idades mais tenras. Segundo ele, quando aprendemos a caminhar, descobrimos que ao perder estabilidade devemos parar e recomeçar tudo denovo. Nas bicicletas essa lógica muda, e fica ainda mais evidente no caso das reclinadas. Ao perder a estabilidade durante uma curva em uma reclinada, ao invés de parar, devemos pisar ainda mais forte no pedal. Isso faz com que as rodas girem e o efeito giroscópico das mesmas levante a bicicleta automaticamente. Onde quero chegar com esta explicação? As rodas maiores oferecem um efeito giroscópico mais intenso que as menores, por isso, as rodas de aro 20" muito utilizadas na parte dianteira da reclinadas talvez possam interferir um pouco em termos de estabilidade. Obviamente, só o tamanho da roda, por si só, não vai afetar tanto na estabilidade da bike. Sendo assim, vamos falar sobre o segundo fator, o ângulo do garfo.
Nas bicicletas tradicionais, acabamos não percebendo tanto os efeitos do ângulo do garfo sobre a estabilidade da bike, pois a geometria, neste caso é bastante restrita (há pouca variação na geometria da bikes tradiconais). Já nas bicicletas reclinadas, ou mesmo nas bicicletas choppers, as dimensões mudam bastante de um modelo para outro, isso sem falar nas reclinadas artesanais. Como normalmente, não fabricamos os garfos em nossas bicicletas artesanais, a solução é prepararmos as mesmas de forma que o eixo de rotação do garfo passe exatamente pelo ponto de contato da roda com o solo. Isso faz com que, ao dobrar o guidão, o quadro não sofra interferência do mesmo. Assim, ficamos com uma reclinada mais estável. Cabe ressaltar que, dependendo da aplicação que pretendemos, o eixo de rotação atrás do eixo que passa pelo ponto de contato da roda com o solo pode ser interessante, mas isso é uma outra história. ;-)
Espero ter ajudado ao Varda em sua dúvida, e ter contribuído de alguma forma para quem vai construir sua próxima bike.
Tinha preparador uma animação com a seqüência abaixo para esclarecer melhor as informações fornecidas acima. Mas, como não soude inserí-la no blog ficará em forma de figura mesmo.
Também achei um link que ajuda no cálculo da geometria não só do garfo, mas também do resto da reclinada. Para acessá-lo é só clicar www.kreuzotter.de.




Abraços a todos, e até o próximo post!!

21 março, 2007

Pés pra Cima

Última segunda feira (19/03) entrou no ar um blog muito legal e com propostas diferenciadas. Estou falando do blog "Pés pra cima", o blog do Artur Caneiro. Se você ainda não conhece essa figura, recomendo que pare ele na rua e pergunte algo sobre reclinadas. Sua boa vontade e entusiasmo é tal, que algumas conversas já renderam novos construtores de reclinadas artesanais e outras, reclineiros de carteirinha (e não duvide se depois de conversar com ele você não queira pedalar uma). E o interessante é que não são argumentações vazias. Você estará convencido por opiniões emabasadas e coerentes. A primeira reclinada que vi ao vivo foi a do Artur, coincidentemente em um dia que tinha um outro reclineiro testando um triciclo artesanal em uma avenida de Porto Alegre. O dono do triciclo se chamava Norberto e, infelizmente, pouquíssimas vezes depois disso vi ele e seu filho pela cidade. Este momento foi decisivo para que eu passa temporariamente de "reclineiro metafísico" para "reclineiro construtor". Contudo, uns projetinhos mal sucedidos me tornaram um reclineiro de Auto CAD novamente (espero que não para sempre). :-))
Mas, não me extendendo muito, gostaria de recomendar uma visitinha diária ao blog "Pés pra cima". Garanto que valerá à pena e, com certeza, conheceremos as opiniões de um cara que pode opinar sobre reclinadas sustentando-se em mais que 3000km de pedaladas reclinescas.

Abração Artur e boa sorte no blog.
E aos demais companheiros, desculpe as pouquíssimas postagens!!
(O blog não morreu e continuará mesmo que em passos lentos)!!
Abração a todos!!!