17 dezembro, 2006

Conhecendo a Zohrer EXD

Hoje fui brindado por duas surpresas um tanto prazerosas, fiz um novo amigo e conheci de perto a reclinada EXD, produzida pelo fabricante brasileiro de reclinadas Zohrer. O dia estava quentíssimo e não prometia muito mais do que ter que ficar em casa, trabalhando um pouco na frente do ventilador e curtindo meu apartamento. Sabia que ia ter um passeio de reclinada na cidade, mas também sabia de ante-mão que não conseguiria uma reclinada emprestada. O Artur (foto abaixo) pretendia me emprestar uma, mas ela estava no conserto.
Eis que, ao meio dia surge na minha caixa de entrada do email a sugestão de um reclineiro porto alegrense, o qual ainda não conhecia. Ele relatava que tinha problemas de saúde que o impediam de pedalar hoje, que possuía uma Zohrer EXD e, que por achar importante a disseminação de tais bicicletas, emprestaria sua bike a algum reclineiro que estivesse empenhado. Prontamente entrei em contato, pois tinha realmente grande curiosidade em conhecer a EXD e esta era uma oportunidade única de experimentá-la. Então, antes mesmo do horário combinado estava em sua casa. Acabei assim, tendo a oportunidade de conhecer o dono da EXD, o Raul, um cara realmente muito legal.Quanto à EXD, confesso que não possui o tipo de visual que me atrai, mas isso é algo bem pessoal, e óbvio, não significa o mesmo que dizer que ela seja feia. Pelo contrário, pela primeira vez tive a oportunidade de ver uma reclinada com um acabamento de fábrica tão bom quanto das bicicletas tradicionais de alumínio que vemos por aí. É realmente bem legal. Na hora de pedalar a mesma oferece grande flexibilidade de movimentos. Em muitos momentos eu não precisava nem mesmo usar o espelho. Isso me faz pensar que a mesma pode ser uma ótima opção para uso diário nas cidades, uma vez que tal flexibilidade reduz o risco de acidentes. Percebi também aspectos que precisam ser melhorados, o que é natural em qualquer produto. Notei que algumas peças são passíveis de desgaste precoce, como sistema de polia e sistema de fixação do banco. Também alguns aspectos pequenos como alguns cachimbinhos que poderiam permitir um acomodamento melhor dos cabos. Como se pode ver, as críticas e contribuições estão mais no campo do acabamento, pois acho que outras observações merecem maior experimentação. O fato é que tive um ótimo final de tarde e tive o grande prazer de matar a curiosidade sobre a reclinada mais comentada e utilizada atualmente no Brasil.

Parabéns ao Pedro Zohrer pela sua dedicação e criatividade. Continue evoluindo!!

Obrigado também ao Raul. Seu gesto de emprestar a bike me permitiu momentos realmente muito legais e foi de grande generosidade.

Abraços a todos, e até o próximo post!!

2 comentários:

  1. Olá Franz, gostaria de primeiramente comprimenta-lo pelo Blog muito variado e instrutivo!
    Gostei muito de seus apontamentos com o teste da EXD, e gostaria inclusive que isso fosse mais frequente no universo reclineiro brasileiro, pois apenas com criticas construtivas como a sua poderemos evoluir a técnica do produto nacional aos níveis das bikes do exterior.
    Vc assim como o Varda o Eduardo ,Lauro, Alain e muitos outros pioneiros na construção de bikes reclinadas é que constroem o futuro reclineiro nacional.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedro Zöhrer,

    E muito legal receber sua visita neste blog.
    Que bom que pude contruibuir, mesmo que superficialmente, com a Zöhrer-EXD.
    Fico feliz que você tenha gostado do blog. Eu tenho tentado utilizá-lo como instrumento de disseminação das reclinadas.
    É interessante comentar que videos e fotos de suas reclinadas são usados por mim e um professor de ergonomia, para mostrarmos a quebra de paradigma necessária na busca de solução para melhorias. Afinal, ao pensar em bicicletas a maioria dos alunos ainda pensa no modelo convencional (onde o banco ainda remete à cela de cavalo) que se encontra amplamente disseminado no mundo inteiro.
    Obrigado pelo comentário!!
    Seja sempre bem-vindo a este blog.

    Abraços,

    FRANZ

    ResponderExcluir